quarta, 08 novembro 2017

Nova Lei de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo obriga os condomínios a comunicar ao Estado quem são os grandes proprietários

VolverEste mês o Departamento de Direito Imobiliário da Belzuz Abogados S.L.P. – Sucursal em Portugal debruça-se sobre as medidas implementadas pela Lei n.º 83/2017, de 18 de agosto, que estabelece as medidas de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo, e que impõe que, nos prédios de elevado valor – onde haja um proprietário a deter mais de metade da permilagem – os beneficiários efetivos dos imóveis sejam identificados e comunicados ao Instituto dos Registos e Notariado.

Por imposição da nova Lei, os condomínios de prédios onde haja grandes proprietários a controlar uma boa parte das frações, vão ter de manter um registo atualizado dos beneficiários efetivos dos imóveis e comunicar essa informação periodicamente ao Estado.

O objetivo é permitir às Autoridades conhecerem os investidores que estão por detrás da grande propriedade imobiliária em Portugal.

Estas obrigações decorrem das novas regras para prevenir o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo, impostas pela Lei n.º 83/2017, de 18 de agosto, e de um vasto pacote legislativo que imprime um cunho de maior transparência à vida empresarial, ao obrigar a generalidade das entidades a divulgar os seus beneficiários efetivos.

Os condomínios passam a ser obrigados a identificar os Proprietários e a comunicar a sua identidade ao Instituto dos Registos e Notariado, em particular, quando estiverem em causa prédios constituídos em regime de propriedade horizontal, com um valor patrimonial tributário global acima de 2 milhões de euros, ou em que um proprietário concentre mais de 50% da permilagem total.

A Lei de Branqueamento de Capitais aponta a mira para o grande património imobiliário, como é o caso dos edifícios para escritórios ou os prédios reabilitados para o alojamento local.

Os condomínios destes prédios terão de diligenciar no sentido de saber quem são as pessoas singulares, nacionais ou estrangeiras, que detêm estes imóveis.

Se o prédio for detido diretamente por um particular, o trabalho é simples. Contudo, se o prédio for detido por uma ou várias sociedades, fundos de investimento ou outros veículos, a tarefa pode complicar-se.

A informação terá de constar obrigatoriamente de um registo interno do condomínio e terá de ser periodicamente comunicada ao Instituto dos Registos e Notariado, através de um formulário eletrónico que deverá ser conhecido dentro dos próximos meses, quando for tornada pública a regulamentação da nova Lei.

As informações recolhidas pelos condomínios irão alimentar o chamado registo central do beneficiário efetivo (“RCBE”), uma base de dados, onde deverá constar a identificação de todas as pessoas singulares que controlam as sociedades comerciais, os trusts, as fundações, as associações, os agrupamentos complementares de empresas e também os imóveis de elevado valor fiscal.

O RBCE estará alojado numa página eletrónica, pública, com três níveis de acesso, consoante o grau de delicadeza da informação, aberta também ao cidadão comum.

Subsistem, porém, ainda muitas dúvidas sobre o novo pacote legislativo. Segundo a lei, os Notários ficam com o dever de não titularem atos sempre que estas obrigações estejam por cumprir. Parece decorrer da Lei que, caso os prédios não sejam identificados, o condomínio pode ser multado e os proprietários ficam inibidos de transacionar os imóveis.

O Departamento de Direito Imobiliário da Belzuz Abogados, S.L.P. - Sucursal em Portugal conta com profissionais habilitados para prestar assessoria jurídica aos investidores do ramo imobiliário.

 Telma Moreno Nunes Telma Moreno Nunes

Departamento de Direito Imobiliário | Portugal

 

Belzuz Advogados SLP

A presente Nota Informativa destina-se a ser distribuída entre Clientes e Colegas e a informaçăo nela contida é prestada de forma geral e abstracta, năo devendo servir de base para qualquer tomada de decisăo sem assistęncia profissional qualificada e dirigida ao caso concreto. O conteúdo desta Nota Informativa năo pode ser utilizada, ainda que parcialmente, para outros fins, nem difundida a terceiros sem a autorizaçăo prévia desta Sociedade. O objectivo desta advertęncia é evitar a incorrecta ou desleal utilizaçăo deste documento e da informaçăo, questőes e conclusőes nele contidas.

Madrid

Belzuz Abogados - Despacho de Madrid

Nuñez de Balboa 115 bis 1

  28006 Madrid

+34 91 562 50 76

+34 91 562 45 40

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Lisboa

Belzuz Advogados - Escritório de Lisboa

Av. Duque d´Ávila, 141 – 1º Dtº

  1050-081 Lisboa

+351 21 324 05 30

+351 21 347 84 52

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Porto

Belzuz Advogados - Escritório do Porto

Rua Julio Dinis 204, Off 314

  4050-318 Porto

+351 22 938 94 52

+351 22 938 94 54

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Negligencias médicas Portugal

+351 968559667

PRIMEIRA CONSULTA GRATUITA


Associações