Fundos de compensação do trabalho e novo incentivo à contratação de trabalhadores

VolverNovo incentivo à contratação destinado a compensar os empregadores pelos custos associados à adesão obrigatória, a partir de 1 de outubro de 2013 e para os contratos de trabalho celebrados a partir dessa data, ao fundo de compensação do trabalho (FCT) e ao fundo de garantia de compensação do trabalho (FGCT)

Todas as empresas que, a partir do dia 1 de outubro de 2013, contratem um novo trabalhador, estão obrigadas a aderir ao FCT (ou, em alternativa, a um mecanismo equivalente) e ao FGCT, bem como a entregar uma percentagem da retribuição base desse mesmo trabalhador para estes novos fundos (0,925% para o FCT e 0,075% para o FGCT). A adesão ao FCT e ao FGCT é efetuada mediante registo no sítio eletrónico www.fundoscompensacao.pt.

Desta forma, ficam as empresas obrigadas a criar uma espécie de fundo de emergência, o qual pode ser acionado em benefício do trabalhador apenas em caso de cessação do contrato de trabalho que origine direito a compensação calculada nos termos do artigo 366.º do Código do Trabalho (por ex.: por caducidade do contrato, por despedimento coletivo ou por extinção do posto de trabalho).

Com o objetivo de atenuar o esforço financeiro das empresas com estes dois novos fundos, o Governo criou a medida Incentivo Emprego, que prevê a atribuição de um apoio financeiro aos empregadores que celebrem, após 1 de outubro de 2013, contratos de trabalho regulados pelo Código do Trabalho.

Indicamos de seguida alguns dos aspetos mais importantes da medida Incentivo Emprego:

1. Requisitos

Podem candidatar-se à medida Incentivo Emprego todas as empresas que celebrem contratos de trabalho a partir de 1 de outubro de 2013 (exceto contratos de trabalho de muito curta duração, e os órgãos e serviços públicos).

Ficam excluídas as empresas com dívidas às Finanças e à Segurança Social, em situação irregular no que respeita às restituições do Fundo Social Europeu e a apoios do IEFP, que não possuam contabilidade organizada, e que se encontrem em falta com os descontos para os fundos de compensação do trabalho.

2. Candidatura

As candidaturas são apresentadas no sítio eletrónico da Segurança Social Direta (https://www.seg-social.pt/consultas/ssdirecta/) no momento da formalização da admissão do novo trabalhador na segurança social.

3. Valor do apoio

O apoio corresponde a 1% da retribuição mensal do novo trabalhador contratado. No fundo, o mesmo valor que as empresas terão de descontar, no total, para o FCT (0,925%) e o FGCT (0,075%).

4. Pagamento do apoio

O apoio será pago trimestralmente pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, nos seguintes termos:

(a) Até 30 de abril, relativamente ao trimestre correspondente aos meses de janeiro, fevereiro e março;

(b) Até 31 de julho, relativamente ao trimestre correspondente aos meses de abril, maio e junho;

(c) Até 31 de janeiro, relativamente ao trimestre correspondente aos meses de outubro, novembro e dezembro.

5. Vigência

A medida Incentivo Emprego tem uma vigência transitória, entre 1 de outubro de 2013 e 30 de setembro de 2015.

De uma maneira geral podemos dizer que a obrigatoriedade de adesão a estes fundos se traduz numa poupança forçada dos empregadores, uma vez que, caso nunca seja necessário recorrer ao FCT, o empregador poderá recuperar o valor entregue e eventual valorização positiva. Trata-se, pois, da constituição de uma nova obrigação certa a cargo dos empregadores, para uma situação marcadamente eventual.

Ora, numa altura em que há uma grande preocupação com a diminuição dos custos laborais, designadamente através da redução de retribuições e complementos salariais, bem como das compensações por cessação de contrato de trabalho, está-se na verdade a criar um novo custo para as empresas, ainda que, num período transitório, algumas (as que reúnam os requisitos acima mencionados) possam obter o reembolso desse custo, através do Incentivo Emprego.

 Vera Madeira Duarte Vera Madeira Duarte 

Departamento Derecho laboral | (Portugal)

 

Belzuz Advogados SLP

La presente publicación contiene información de carácter general sin que constituya opinión profesional ni asesoría jurídica. © Belzuz Abogados, S.L.P., quedan reservados todos los derechos. Se prohíbe la explotación, reproducción, distribución, comunicación pública y transformación total o parcial, de esta obra, sin autorización escrita de Belzuz Abogados, S.L.P.

Madrid

Belzuz Abogados - Despacho de Madrid

Nuñez de Balboa 115 bis 1

  28006 Madrid

+34 91 562 50 76

+34 91 562 45 40

Esta dirección de correo electrónico está siendo protegida contra los robots de spam. Necesita tener JavaScript habilitado para poder verlo.

Lisboa

Belzuz Abogados - Despacho de Lisboa

Av. Duque d´Ávila, 141 – 1º Dtº

  1050-081 Lisboa

+351 21 324 05 30

+351 21 347 84 52

Esta dirección de correo electrónico está siendo protegida contra los robots de spam. Necesita tener JavaScript habilitado para poder verlo.

Oporto

Belzuz Abogados - Despacho de Oporto

Rua Julio Dinis 204, Off 314

  4050-318 Oporto

+351 22 938 94 52

+351 22 938 94 54

Esta dirección de correo electrónico está siendo protegida contra los robots de spam. Necesita tener JavaScript habilitado para poder verlo.

Asociaciones

Subir